Menu

Logo quando damos partida no motor do nosso carro, começa a ocorrer a queima de combustível. Esse processo aumenta – e muito! – a temperatura interna do veículo, e é aí que o sistema de arrefecimento entra em ação.

Esse importante sistema é responsável por regular as temperaturas mínima e máxima de funcionamento do motor, evitando a dilatação excessiva dos componentes e garantindo a melhor performance do nosso carro.

Mas você sabe como ocorre o processo de resfriamento do motor? Nesse artigo, vamos explicar o modo de operação do sistema de arrefecimento e dar dicas de como mantê-lo em perfeita ordem. Acompanhe!

Quais peças compõem o sistema?

Como é de se imaginar, o sistema de arrefecimento é bastante complexo. São inúmeras peças que se conectam e realizam essa importante tarefa. No entanto, podemos destacar alguns componentes essenciais: reservatório de expansão, bomba d’água, mangueiras, válvula termostática, sensor de temperatura, radiador e ventoinha.

A seguir, explicaremos como cada item opera dentro do sistema. Vem com a gente!

Como funciona?

Quando acionamos o motor do carro, a temperatura de todos os componentes começa a aumentar, devido à queima do combustível. Nesse momento, a bomba d’água também é acionada e estimula a circulação do líquido disposto no reservatório de expansão por toda a galeria do motor.

Esse líquido, composto de água desmineralizada e aditivo, fica circulando pelo motor até que se atinja a temperatura indicada pelo fabricante – geralmente 90°C. Com a ajuda do sensor de temperatura, a válvula termostática detecta o índice de calor determinado e finalmente se abre, liberando a passagem do líquido para o radiador.

É no radiador que ocorre a troca de calor entre o ar externo e o fluido do sistema de arrefecimento. O processo de resfriamento é facilitado pela ventoinha, que é ativada quando uma temperatura muito alta é atingida.

Após a dispersão do calor, quando o líquido está frio o suficiente, ele é conduzido novamente para o motor através das mangueiras.  Dentro do motor, o ciclo se recomeça: há o aquecimento do líquido, que é novamente conduzido para o radiador e assim por diante.

Qual a importância do aditivo para radiador?

Certamente, o fluido é um dos “componentes” mais importantes do sistema de arrefecimento. Ele é constantemente resfriado e aquecido e garante que o motor funcione da melhor forma possível. Como dissemos, esse líquido deve ser uma mistura de água e aditivo. Mas você sabe por que não devemos usar água pura para alimentar o sistema de arrefecimento? Nós explicamos!

Como o motor funciona a uma temperatura muito elevada, a água começa a evaporar com muita facilidade – e isso prejudica o funcionamento do veículo como um todo. Dessa forma, o aditivo é responsável por aumentar a temperatura de ebulição do líquido, evitando que ele se dissipe pelo ar e continue circulando por todo o sistema.

Além de aumentar a temperatura de ebulição, o aditivo diminui a temperatura de congelamento. Dessa forma, tem-se a condição ideal para que o motor funcione corretamente.

Como benefício adicional, o aditivo protege contra a corrosão das partes metálicas do sistema de arrefecimento e impede a cavitação (formação de bolhas de ar) – reações que podem prejudicar seriamente o funcionamento do motor. 

Qual tipo de aditivo utilizar?

A Koube Química conta com uma linha completa de aditivos: Sintético Flex & Diesel, Orgânico Plus e Orgânico Long Life. Para saber qual deles você pode utilizar no sistema de arrefecimento do seu carro, basta ler as recomendações dadas pelo fabricante no manual do veículo. Assim, você garante que toda a inovação dos produtos Koube está contribuindo para a melhor performance do seu automóvel.

Agora que você sabe como funciona o sistema de arrefecimento, fica mais fácil se adiantar quanto a possível problemas no motor do seu carro. Mas lembre-se de sempre fazer as revisões e as manutenções preventivas dentro do prazo determinado pelo fabricante, ok? Até a próxima parada!

Deixe uma resposta

Adicionar um comentário